Fique por dentro

Entrevistas

#GenteQueCresce: Pipoca de Colher

Sabrina criou um negócio de sucesso com R$ 3 mil e paixão por pipocas
Caixa Crescer

Publicado em: 09/03/2017 00h00 - Atualizado em 06/03/2017 08h36

Sabrina Schmidt percebeu que era apaixonada por pipoca por volta dos 13 anos: dando uma volta pelo parque de diversões paulista Playcenter, conheceu um quiosque de pipocas de vários sabores. Ela pensou em como seria bom ter um negócio que também vendesse pipocas.

Mas, como para muita gente, a vida seguiu e Schmidt teve de se adaptar às carreiras tradicionais do mercado de trabalho. A carioca se tornou diretora de produtos de uma empresa de venda direta. Tudo seguia seu curso normal até que, em 2015, a corporação faliu. Desempregada, Schmidt decidiu que essa era a hora de reviver seu sonho de infância.

Schmidt passou a analisar como estava o mercado de pipocas. “Vi como a pipoca gourmet estava entrando com força no Brasil, e pensei que era hora de apostar nisso”, conta a empreendedora.

Ao mesmo tempo, Schmidt havia mudado sua alimentação para um estilo mais funcional: ou seja, comidas que tragam um benefício concreto para a saúde. Na casa da empreendedora não há açúcar branco, por exemplo. Então, por que não investir em uma pipoca que também fosse funcional?

Schmidt pediu 3 mil reais emprestados de um amigo. Com o dinheiro, investiu em panelas, matéria-prima e embalagens. Então, testou as receitas de pipoca funcional que tinha em mente. Começou a vender para os amigos em setembro de 2015 e chegou às feirinhas gastronômicas no começo de 2016.

Mas o grande ponto de virada para sua pequena empresa, agora já chamada de Pipoca de Colher, veio em maio de 2016: as pipocas funcionais de Schmidt passaram a ser vendidas em lojas focadas em alimentação saudável (por exemplo, a rede Mundo Verde).

Hoje, os produtos da Pipoca de Colher estão em 300 lojas no Brasil, principalmente nos estados de Minas Gerais, Goiás, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Enquanto na época das feirinhas o negócio faturava 3 mil reais por mês, hoje já fatura uma média mensal de 50 mil reais.

Hoje, há quatro sabores de pipocas funcionais: chocolate fitness, com cacau e canela; detox, com laranja e gengibre; termogênicas, com especiarias e pimenta; e TPM Free, com amoras. No site da Pipoca de Colher, há a descrição sobre quais benefícios cada um dos produtos traz. “Só incluímos produtos se entendermos quais são suas funcionalidades e como eles se combinam com uma comida amada por todos, como é a pipoca.”

Há dois tamanhos distintos de sacos da Pipoca de Colher: o grande serve cinco xícaras de pipoca e costuma custar entre 12,90 e 14,90 reais, variando com o ponto de venda. Já o tamanho pequeno serve duas xícaras de pipoca e custa entre 7,50 e 8,90 reais.

Segundo Schmidt, a Pipoca de Colher pretende chegar a 1000 pontos de venda até o fim de 2017, gerando um faturamento mínimo de 1 milhão de reais.

Sabrina é #GenteQueCresce no Rio de Janeiro (RJ). E você, quer crescer? Saiba como aqui.

Nossos Parceiros

Sede CAIXA CRESCER: SBS Quadra 02 Bloco J Edifício Carlton Sala 401 e Sobreloja 05, Asa Sul – Brasília/DF - CEP: 70.070-120